terça-feira, 4 de março de 2014

Tipos de jazidas

É comum ouvir falar a respeito do ouro de aluvião, mas afinal de conta como eram os depósitos aluvionais das Minas de Paranapanema do século XVIII? 

A exploração de ouro no período colonial se dividiam basicamente em dois tipos de jazidas, depósitos primários e depósitos secundários

Exploração de jazidas primárias ou filões - é caracterizado pela exploração do subsolo ou seio das montanhas onde o ouro encontra-se associado a outras rochas (também denominadas "rochas auríferas") como o quartzo. Esse tipo de exploração era feito através de escavações de túneis e galerias de pouca profundidade e comprimento, uma vez que os mineradores não dispunham de processos de escoramentos, drenagem ou ventilação suficiente para realizar essa técnica. 

Exploração de jazidas secundárias ou aluvionais - é caracterizado pela exploração nos leitos, margens e encostas dos rios, subdividido basicamente em três métodos:  


  • Faisqueiras: jazidas encontradas no leito dos rios e córregos,  essas jazidas são originárias da decomposição da rocha matriz (depósitos primários), sendo transportada pouco a pouco pela constante ação da água, trazendo o ouro para fora da rocha matriz e depositando no leito dos rios ou ribeirões, esses depósitos podiam ser facilmente encontrado na superfície do leito dos rios, com pouco trabalho era possível maior produção devido a sua abundância. 
  • Tabuleiros: jazidas encontradas nas margens dos rios e córregos, tinham a mesma origem das faisqueiras, sua exploração era feita basicamente por escavações as margens dos rios conhecido também por Catas.
  • Guapiaras ou Grupiaras: jazidas encontradas nas encostas dos morros, antigos leitos e margens dos rios e ribeirões, acima dos tabuleiros onde há depósitos de cascalho, esse tipo de depósito correspondem ao sedimento aluvional acumulado quando o rio ainda cavava o seu leito numa altura superior.



Depósitos 

Nenhum comentário:

Postar um comentário